• Sobre a RH
  • Autor
  • Lojinha
  • Contato

Ps. Através do Facebook constantemente recebemos perguntas voltadas ao que os questionadores identificam como “ações da matrix”. Os indivíduos que perguntam, em sua maioria, são aqueles que pensam que sabem sobre a prisão (matrix), ou melhor, eles são limitados a apontar alguns fatores que eles até reconhecem que constituem a prisão. Já, o mais importante, é o que eles não alcançam, ou seja, eles sequer desconfiam que tudo aquilo que eles apontam é fruto e é mantido pelo próprio “modus estupiduz operandi”.

 

                                                                                   *************

 

Resposta: As informações que te levaram a formular estas perguntas, são equivocadas. A melhor resposta está em você observar o seu modus operandi de consumir teorias e tomá-las como verdades.

É assim que se adota as crenças dos outros e contribui o modus operandi auto-aprisionador e para a formação de um mundo ilusório. Qualquer resposta ou qualquer constatação real, não vai atender a deformação de modus operandi que você se deu.

E o que adianta saber a verdadeira forma da lua?

O que adianta ter a resposta se é ou não um holograma?

Quem pergunta? É claro que é o seu mental, ou seja, você.

O mental é o agente da imbecilidade humana.

O meu tempo, o meu trabalho e a minha atenção não vão alimentar a qualquer mental curioso. As perguntas expõem a inversão de modus operandi do humano que se acha inteligente por perguntar e questionar. Assim os inteligentes justificam o desenvolvimento de sua “inteligência”.

Eu não falei especificamente de você, eu falo de todos os humanos, pois é assim que eles funcionam.

É isso que o meu trabalho mostra em detalhes: o modus operandi humano que sustenta o teatro e a prisão.

É o modus operandi que faz o seu auto-aprisionamento e o mantém cada vez mais aprisionado.

O resto é resto, e não tem a menor importância o que as perguntas tentam justificar para manter o indivíduo neste ciclo vicioso de perguntas e necessidades de respostas, pois isso é uma limitação mental.

Esta situação não é diferente da situação dos imbecis que insistem em dizer que a Terra é plana. Porra, e daí se a Terra é plana, quadrada, redonda ou triangular? O que importa é que a prisão é de todas as formas. A busca da necessidade de saber a forma geométrica da Terra, é uma armadilha do SCMH (Sistema de Controle Mental dos Humanos) para manter entretidos aqueles que deveriam estar prontos.

E, é o “modus estupiduz operandi” que cria a própria prisão, independentemente do formato geométrico da Terra. E, foda-se, se os otários aprisionados que querem uma noção de formato, pois eles continuam aprisionados entretidos com algo que não leva a nada, que é saber o formato da prisão. Mas se eles querem continuar limitados, fodam-se.

Outro exemplo, sãos os bobinhos chamando Hercólubus de Elenin ou Nibiru. Eles insistem em falar sobre a aproximação de Elenin (Hercólubus) e querem mostrar para o mundo, mas nem eles sabem do que realmente se trata. E não importa um nome, e não importa o efeito e não importa o que eles não alcançam. O que importa, é que eles não percebem o seu modus operandi que os leva às mais estúpidas limitações pelo próprio modus operandi de vida.

Alimentar o mental que limita os indivíduos às necessidades de perguntas para tentar os “entendimentos”, é o mesmo que tentar sair de uma areia movediça: quanto mais o indivíduo se movimenta tentando sair, mais ele se afunda. Pois é ele que “se afunda” por seus movimentos de tentativa de saída. Mas o estúpido vai sempre culpar a areia movediça e ignorar que é ele que se afunda.

Como carioca, aqui no Rio na minha juventude usava-se uma expressão que resume o meu posicionamento sobre todas as “questões” dos aprisionados. A expressão é: “Eu não vou bater palmas pra maluco dançar.”

No meu trabalho e na minha postura como autor deste trabalho, significa: “eu NÃO vou alimentar o seu modus operandi para você se aprisionar ainda mais”.

 

 

Compartilhar
error:
×